Boletim dos Artesãos - Vitória de Głogowski e a Cara do Magic em 2020

Escrito por artesaosdomagic
Publicado em 09/12/2019
74 Visualizações, 0 Comentários.

Olá e sejam bem-vindos a mais um Boletim dos Artesãos, farto com o que de mais importante aconteceu no mundo de Magic: the Gathering na última semana. E, como antecipamos na edição anterior, tivemos nesse último fim de semana o Campeonato Mítico VII, último desta temporada profissional e que definiu quem estará na temporada de transição 2020-2021. Vamos logo saber quais foram os resultados!

Standard de Trono de Eldraine 3.0

Depois de dois períodos de extrema dominância no Standard que levaram a duas séries de banimentos, com a primeira vítima sendo Campo dos Mortos e logo depois chegando a vez de Oko, Ladrão de Coroas, muitos jogadores imaginavam o que seria desse Standard depois de reinícios consecutivos.

A solução mais simples para esse tipo de situação é simplesmente pegar um deck que já tinha certo sucesso no momento anterior e ajustá-lo ao momento atual, mas mesmo esses casos têm seus pontos de flexibilidade, que poderiam ser postos à prova nesse campeonato de alto nível.

Vejamos, por exemplo, os decks Golgari Adventure. Focados na nova mecânica de Eldraine e apoiados pelo poder de Estalajadeiro de Beiramuro, eles  podem variar entre ir fundo na sinergia fornecida pela mecânica, com Trevo da Sorte, ou diversificar adicionando O Grande Círculo ao plano.

Nas variantes de Sacrifice, o foco é sempre a interação entre Familiar do Caldeirão e Forno da Bruxa, mas esse pacote pode vir de várias maneiras. Se o embrulho for de cores Jund veremos um deck que quer fazer uso do maior número e melhores interações de sacrifício possíveis, especialmente Korvold, Fae-Cursed King. A versão Golgari troca o Vermelho por uma base de mana melhor e mais interação em Casualties of War. Finalmente, a versão Rakdos adiciona Claim the Firstborn para acabar com o campo de batalha do oponente.

Entre os decks já estabelecidos o que estava mais perto de sua versão definitiva era o Jeskai Fires. O deck busca estabilizar o jogo até que possa conjurar seu encantamento característico, Fogos da Invenção, e a partir daí se apoiar nele para fechar o jogo com seus Cavaleiros (Cavaleiro da Chama e Cavaleiro dos Vendavais).

Havia também quem tentava atacar o Metagame por um novo ângulo. Nessa vertente estavam os decks Flash, seja no estilo Izzet ou no Simic. Enquanto as duas versões atritam o oponente com contra-mágicas no tempo certo e criaturas no fim do turno, a versão Izzet conta com Degolador Salmourígeno e Gadwick, o Enrugado, que dependem que várias mágicas sejam conjuradas, e a versão Simic confia em Nightpack Ambusher e Mística de Gola.

Tudo isso fervia no caldeirão do Standard e no começo do Campeonato o formato se apresentou da seguinte forma:

Metagame MCVII

O deck mais popular foi o Jeskai Fires, 17,9%, mas, entre os jogadores da MPL este título fica com Jund Sacrifice, ao todo 13,4%. Fechando os Top 3 decks mais populares tivemos Golgari Adventure com 11,9%.

A estratégia mais popular foi de longe a de Sacrifício. Agregando Jund, Golgari e Rakdos temos cerca de um terço dos jogadores, 32,8%. As variantes Flash também tiveram bons números nessa área, a versão Izzet teve 9% do campo e a Simic 6%.

No entanto, popularidade não é o mesmo que sucesso, e para avaliar este último nos voltamos para os dados de embate do campeonato. Importante lembrar que, por ser um campeonato relativamente pequeno, 67 participantes, esses números são o bastante para apontar tendências, mas não para tirar conclusões definitivas.

Pois bem, tendo isso em vista o melhor deck do Campeonato Mítico VII foi o Simic Flash. O deck venceu 67% de suas partidas no geral, teve poucos embates desfavoráveis no campo e foi superior ao seu concorrente Izzet em basicamente todos os aspectos.

Na cola ficou o Jund Sacrifice, que venceu 58% de suas partidas. O deck foi sólido no campeonato e teve apenas um embate desfavorável significante em Jeskai Fires. Mais importante, o deck venceu 63% de seus jogos contra Simic Flash e também se mostrou a combinação de cores dominante para a estratégia.

Entre os decks perdedores do evento figuram Golgari Adventure e Jeskai Fires. O primeiro venceu 48% de suas partidas, o que não é de todo ruim, mas o deck deixou a desejar em campanhas vencedoras e sua versão clássica foi simplesmente mal no campeonato.

O problema de Jeskai Fires é outro, embora também tenha ficado abaixo da metade, com 49% de vitórias. A questão para o deck é que ele foi completamente destruído por Simic Flash, vencendo o embate apenas 11% das vezes. Se espera que a popularidade deste último ainda suba, o que para Jeskai Fires é má notícia.

Em resumo temos um Standard bem diverso no momento, com vários decks viáveis. No topo temos Simic Flash que parece ser vulnerável ao Jund Sacrifice e este é vulnerável ao Jeskai Fires, que completa o ciclo sendo fraco contra o Simic Flash. Além disso há muitas aberturas para que outros decks tentem se estabelecer.


Sendo assim as chances de que esse seja um período saudável para o formato são grandes, e poderemos esquecer por um tempo os frequentes banimentos.

Piotr Głogowski Campeão do Campeonato Mítico VII

Voltando nossos olhos agora para as campanhas individuais, o Campeonato Mítico VII teve um dos Top 8’s mais talentosos da história recente desse tipo de evento.

Top 8 MCVII

Javier Dominguez (Simic Flash) conquistou mais um Top 8 expandindo ainda mais sua incrível dominância que já dura um par de anos. Ele pilotou uma construção própria de Seth Manfield que levou os dois e mais Brad Nelson ao Top 8 e, como vimos acima, foi o melhor deck do campeonato.

Andrea Mengucci (Simic Ramp) adicionou mais uma rica campanha a um ano incrível que inclui o título do Invitacional Mítico e Paulo Vitor Damo da Rosa (Jeskai Fires) a uma carreira incrível que o coloca ainda mais perto de ser indubitavelmente o melhor de todos os tempos.

Já ambos os Desafiantes do grupo, Chris Kvartek (Golgari Adventure) e Miguel da Cruz Simões (Jund Sacrifice), fizeram a proeza de se classificar pela segunda vez no ano pelo Qualificatório do Magic Arena e levaram seu sucesso até a fase eliminatória.

Finalizando, temos Piotr Głogowski (Jund Sacrifice), que começou o campeonato no Dia 2 por ganhar sua divisão na MPL e não perdeu nenhuma partida para passar para a fase de mata-mata. Manter a invencibilidade seria difícil com um Top 8 tão recheado, mas o polonês estava confiante.

Ele começou o domingo vencendo Seth Manfield que é sempre um oponente difícil, ainda mais nessa fase da competição. O oponente seguinte não foi nem um pouco mais fácil, o brasileiro PVDDR, mas ele continuou invicto. Continuando o nível de desafio, o próximo embate foi contra Javier Dominguez, mas Piotr já havia mostrado que não se importava com o tamanho do oponente, vencendo mais uma e indo à grande final.

Os embates da parte de baixo foram tais que Brad Nelson, um especialista em Standard reconhecido, foi o oponente designado para o último embate. Para adicionar um pouco de incentivo à batalha eles estariam disputando a última vaga para o Mundial que ocorre ano que vem.

A resposta de Piotr Głogowski para o confronto só poderia ser uma, afinal o que mais ele poderia fazer se não continuar ganhando? E foi exatamente isso que ele fez, finalizando uma campanha perfeita que o deu o título do Campeonato Mítico VII. Parabéns ao jogador!

Piotr Campeão do MCVII

A Cara do Magic Profissional em 2020

Com as disputas acabadas já temos quase todos os nomes que comporão o Magic profissional em 2020.

No Mundial de Magic XXVI, que acontecerá no Havaí em fevereiro teremos 16 competidores: o atual campeão Javier Dominguez, as sete vagas por Campeonatos Mítico, as quatro vagas pela MPL e as quatro vagas pelos desafiantes.

Competidores Mundial

Na MPL temos os melhores 20 participantes da liga nessa temporada mais os 4 melhores Desafiantes.

MPL 2020

Já na formação Liga de Rivais teremos os 12 rebaixados da MPL, os 8 classificados via Arena e os 8 classificados via jogo físico. Ainda restam saber os 4 jogadores que serão convidados para fechar os 32 integrantes.

Rivais 2029

Com certeza 2020 será um ano com muitos títulos e embates emocionantes. Esperemos que seja ainda melhor que 2019!

Assim terminamos mais um Boletim. O que achou da conclusão da temporada profissional? Os jogadores por quem você torceu tiveram sucesso este fim de semana? E o que esperar para o ano que vem? Sinta-se livre para nos contar usando a seção de comentários. Você também pode nos alcançar por nossa página no Facebook ou Twitter. Obrigado pela leitura.

Thiago Santos dos Artesãos do Magic

Comentários