Boletim dos Artesãos - Pioneer, Oko e Divisão Rubi

Escrito por artesaosdomagic
Publicado em 28/10/2019
110 Visualizações, 0 Comentários.

Olá e sejam bem vindos a mais um Boletim dos Artesãos, completo com o que de mais importante aconteceu no mundo do Magic: the Gathering na última semana. E foi uma semana animada com novo anúncio de Banidas & Restritas, um novo formato competitivo e, é claro, as disputas de divisão da Magic Pro League. Vamos logo aos acontecimentos.

Campo dos Mortos Banida e o Reinado de Oko

Como todos esperavam o deck sensação desse começo de Standard de Trono de Eldraine recebeu um golpe fatal no último anúncio de Banidas & Restritas com o banimento do terreno Campo dos Mortos. A carta era peça insubstituível no deck gerando a inevitabilidade de uma horda de zumbis ao se aproximar do fim do jogo e sendo naturalmente difícil de se interagir, de forma que Golos, Peregrino Incansável terá de procurar uma casa que não o Bant Golos se quiser de manter relevante no formato.

Além de sua força o deck também contava com uma popularidade incrível, sendo responsável por uma fatia enorme do Metagame, como vimos aqui nos dados do Campeonato Mítico V. Um deck que mantinha ao mesmo tempo tamanha vantagem contra os decks concorrentes e uma grande fatia do campo não poderia mesmo permanecer intocado por muito tempo.

Quem se aproveitou rapidamente disso e fez jus ao nome de sua carta foi Oko, Ladrão de Coroas, que teve o melhor desempenho do Campeonato Mítico V em porcentagem de vitórias e já obtinha uma parte também significante do Metagame. Assim ele precisou de menos do que um pulo para se tornar o novo deck a ser batido no Standard.

Os pedidos de banimento, que, a bem da verdade, já haviam começado há algum tempo, se reforçaram agora que Oko, Ladrão de Coroas brilha quase que só no holofote. E para completar, aliado aos dados que já temos do formato até então, a cada torneio somos lembrados da ameaça de que ele representa ao formato. O último foi o recentíssimo Qualificatório do Magic Arena desse fim de semana, no qual, dos 102 decks que avançaram ao Dia 2, 68 deles continham o planeswalker.

O impacto de Oko, Ladrão de Coroas é tanto que Noxious Grasp  já aparece como uma opção viável em decks principais, o que normalmente seria uma loucura. O estado do Standard atual não gera uma boa imagem para a Wizards, que tem uma escolha importante a fazer antes dos próximos eventos de alto nível.

Campo dos Mortos e Astrolábio de Arcum banidos
Campo dos Mortos  e Astrolábio de Arcum estão BANIDOS do Standard e Pauper respectivamente.

Astrolábio Fora do Pauper

Da mesma forma que Campo dos Mortos no Standard, Astrolábio foi banido do Pauper, artefato que transformou um formato sem fetchlands e sem terrenos duais que entram desvirados em uma terra de decks com três ou mais cores de bases de mana consistentes.

A carta, que primariamente era somente uma forma de melhorar o acesso a diferentes cores, acabou se tornando a melhor do formato por sua inerente vantagem de cartas e sinergia com estratégias focadas em efeitos de “entrar no campo de batalha”, como Glint Hawk e Efemerar. Além disso, ela também conseguiu uma parte relevante do Metagame. 

Por esses motivos Astrolábio foi banido numa mudança que foi considerada benéfica pelos jogadores.

Anunciado o Pioneer

Ainda na segunda a Wizards anunciou seu mais novo formato competitivo, o Pioneer, ou Pioneiro na tradução para português. O formato é não-rotacional, formado por coleções lançadas para o Standard a partir de Retorno à Ravnica e vem com a premissa de ser a nova ponte entre o Standard e um formato maior e mais robusto, a mesma do Modern quando este foi criado.

Formato Pioneer

Isso quer dizer que o Pioneer substituirá o Modern? Não, de forma alguma. O Modern é um formato muito querido e que não está indo a lugar nenhum. O que acontece é que o Modern já é um formato com 8 anos de idade (criado em 2011) e com coleções de até 16 anos atrás (a coleção mais antiga do Modern é a 8ª Edição, lançada em 2003).

Com um formato tão grande, e por isso cheio de suas intrínsecas complexidades e características únicas, a transição de Standard para o Modern estava ficando cada vez mais difícil. O Pioneer surge então como uma forma de continuar usando suas cartas favoritas do Standard em um formato competitivo e não rotacional, disponível nas formas física e digital.

E o jogo digital é um ponto um pouco complicado de explicar sobre o formato. O Pioneer só estará disponível como formato digital no Magic Online. Ele não está sendo lançado, e por enquanto não há planos de introduzi-lo, ao Magic Arena. A solução para as rotações no Arena continua sendo o Histórico, que é um formato diferente, 100% digital.

Apenas cinco cartas foram preventivamente banidas do Pioneer, as cinco fetchlands do bloco de Tarkir, com dois motivos principais. O primeiro é que o nível de poder dessas cartas aliado a terrenos duais com tipo básico não é o que a Wizards está buscando para o formato. O segundo é para diferenciar o Pioneer dos outros formatos não rotacionais, dando a ele suas próprias características.

Fiquem tranquilos, no entanto, pois Aaron Forsythe, diretor do Desenvolvimento e Pesquisa da Wizards, declarou que o formato será gerenciado agressivamente e fora de ciclo, ou seja, com mudanças independentes das datas de anúncio de Banidas & Restritas, baseado nos resultados do Magic Online.

O Pioneer já está disponível para jogo no Magic Online e estará presente em vários eventos de alto nível do ano que vem, incluindo a primeira série de Players Tour, tanto os regionais como a Final, e vários GPs.

William Jensen vence a Divisão Rubi

Tivemos um embate de Divisão da MPL pouco usual nesta última semana. Depois de competir no Campeonato Mítico V os jogadores batalhariam de novo num formato idêntico, mas já obsoleto graças ao anúncio de Banidas & Restritas. Surpreendentemente tivemos quatro jogadores com campanha de 5-2 avançando para o mata-mata.

A ordem de classificação foi decidida em critérios de desempate, muito importante para saber quem fica na parte de cima da eliminação dupla. Em primeiro lugar ficou Autumn Burchett com Golos Fires, mantendo sua escolha de deck para o Campeonato Mítico. Em segundo William Huey Jensen, que trocou o Simic Food que o levou ao Top 8 por um Bant Food.

Na parte de baixo Javier Domínguez fez uma curva de 180° na seleção de decks, trocando o Gruul Aggro que lhe deu o título por um Bant Food. Por último estava Grzegorz Kowalski, que também manteve seu deck do campeonato anterior, um Bant Ramp.

A disputa começou com Burchett vencendo o embate Fires vs Food contra Jensen e avançando para a Grande Final. Na parte de baixo Domínguez venceu Kowalski, se mostrando bem adaptado, mesmo com a mudança radical de deck.

Na final da parte de baixo os dois jogadores que vinham em mata-mata consecutivos se enfrentaram numa partida mirror e Jensen foi quem saiu vitorioso do embate contra Domínguez. Ele prosseguiu para a revanche contra Burchett, dessa vez numa disputa de melhor de três partidas, e se saiu bem melhor dessa vez, ganhando o título da Divisão Rubi da MPL na Etapa de Eldraine.

Com a vitória William Jensen avança diretamente para o Dia 2 do Campeonato Mítico VII. Importante também lembrar que cada ponto conquistado na disputa de divisões deixa os jogadores mais perto da MPL do ano que vem.

As disputas de divisão continuam essa semana com a Divisão Pérola. O Top 4 será transmitido pelo canal oficial do Magic na Twitch no sábado, dia 2 de novembro.

Assim terminamos mais um Boletim. O que você acha que acontecerá no atual Standard? Oko, Ladrão de Coroas merece mesmo um banimento emergencial? E quais suas expectativas para o Pioneer? Sinta-se livre para nos contar usando a seção de comentários. Você também pode nos alcançar por nossa página no Facebook ou Twitter. Obrigado pela leitura.

Thiago Santos dos Artesãos do Magic

Comentários