Boletim dos Artesãos - Fim do Sonho Profissional | Magic

Escrito por
Publicado em 17/05/2021
434 Visualizações, 0 Comentários.

Olá e sejam bem-vindos a mais um Boletim dos Artesãos, pronto para relatar e reforçar tudo o que de mais importante acontece no mundo do Magic: the Gathering. Nesta semana tivemos um anúncio que abalou o mundo do Magic profissional com a Wizards dando os primeiros detalhes de uma nova reconstrução do Jogo Organizado. Além disso, temos os detalhes do mais recente Fim-de-Semana de Liga. Vamos lá.

Pondo Fim ao Sonho

Na última quinta-feira, dia 13, a Wizards publicou o artigo "Esports: Transições e o Retorno aos Encontros” que visava dar os primeiros detalhes da visão da empresa para o Jogo Organizado uma vez que o mundo se prepara e começa a deixar o COVID para trás. Apesar de ser simples em conteúdo, o artigo gerou muito barulho e confusão na comunidade, principalmente entre os mais ligados ao jogo competitivo.

Antes de tudo é importante ressaltar que o artigo não tem nenhuma informação concreta de como será o Magic de 2022 para frente. Apenas ideias vagas e direções que a Wizards vê como as que fazem mais sentido para o jogo no futuro próximo.

A primeira parte do artigo foca no retorno dos eventos físicos. Desde o começo da pandemia a Wizards foi obrigada a focar basicamente todas as suas formas de jogo no digital, então já era esperado e muito antecipado que viesse uma reintrodução dos eventos presenciais e um re-equilíbrio entre as duas formas de jogo.

De forma geral, a Wizards se comprometeu em novamente investir nas experiências de jogo físico, mas sem deixar o jogo digital completamente de lado. Além disso, o foco primário será em eventos locais ou regionais, uma vez que questões como viagens e contato próximo e por períodos prolongados continarão sendo delicadas por um tempo.

O que se pode ler disso é que eventos regionais, como alguns Grand Prixes, por exemplo, devem retornar em breve, enquanto as grandes celebrações, como eram os Pro Tours, ainda devem esperar um pouco.

A segunda parte do artigo trata da transição entre o modelo atual e o futuro do Magic e a grande notícia é que o sistema de Ligas, MPL e Rivais, terá sua última temporada em 2021-2022. É de consenso geral na comunidade, inclusive entre os próprios participantes, que as Ligas não estavam funcionando, de forma que isso não foi uma surpresa.

Os detalhes para a Temporada 2021-2022 foram dados e teremos grandes campeonatos para cada coleção, nos mesmos moldes do Capeonato de Kaldheim, por exemplo, e com uma premiação total ampliada para $450.000,00. Não haverão Fins-de-Semanas de Liga e Desafios de pós-temporada, e os jogadores competirão apenas por vagas no Mundial, já que não haverão mais contratos profissionais de 2022 em diante.

Isso basicamente cobre todas as informações dadas no artigo, o que pode parecer um pouco confuso. Tudo o que foi anunciado já era esperado, e é até mesmo celebrado, então de onde vem a controvérsia? Bem, a confusão vem justamente do que o artigo não disse.

Em uma thread no Twitter discutindo e reagindo ao anúncio a Wizards declarou que “o Jogo Organizado não será desenvolvido para sustentar o Magic como uma carreira” e que o foco não será que circuito seja “economicamente sustentável” para os jogadores.

Isso significa colocar um fim na maneira atual que vemos os profissionais de Magic: the Gathering, que são pessoas que encaram o jogo competitivo como um trabalho de período integral, de onde vem a renda para que eles consigam pagar suas contas e sustentar suas famílias. E, claro, essas pessoas se dedicam intensamente ao jogo para manter suas posições. A Wizards está explicitamente dizendo que isso não será mais possível.

Para ficar claro, no mesmo tweet a Wizards confirma que o jogo em alto nível, com experiências similares a GPs e PTs continuará a existir. O que deixará de fazer parte deste mundo são os jogadores profissionais como descrevemos acima.

Obviamente, a declaração não foi bem recebida pelo círculo mais próximo de jogadores profissionais e competitivos por inúmeras razões. Os competidores das ligas estão basicamente sendo demitidos, ainda que com um ano de antecedência, o que não é uma situação agradável.

Para os Desafiantes, jogadores que não estão dentro do circuito, mas almejavam uma posição, o anúncio completamente destrói um sonho. E a notícia é ainda mais dura para os jogadores de regiões mais periféricas ao Magic, como América Latina e Ásia.

Sem os incentivos e a renda adquirida de através do status profissional, seja no atual sistema ou num dos anteriores, presentes desde a incepção do Magic competitivo, é inviável para os jogadores destas regiões arcar com todos os custos necessários para participar de grandes eventos. Isso significa que estes jogadores no futuro ficarão restritos apenas aos campeonatos digitais e aos eventos regionais menores.

A própria Wizards também disse não saber ao certo que tipo de sistema o Jogo Organizado vai adotar a partir de 2022, mas que não devemos esperar algo como as Ligas ou Pontos Pro, anterior a elas. E a reação da comunidade competitiva a isso é bastante cética, já que, depois de muitos erros e feedback ignorado nos últimos anos, muito não veem motivos para confiar no que está sendo criado.

Segunda Leva de Vagas e Rebaixamentos

E dando sequência ao tema Magic Competitivo, tivemos o segundo Fim-de-Semana de Liga da Etapa de Strixhaven, que definiu mais duas vagas para o Mundial e mais rebaixados nas ligas. Novamente tivemos os dois formatos do Arena na competição e com direito a novidades no Standard.

Além dos já conhecidos Sultai Ultimatum, Jeskai Cycling e Gruul Adventures, o Izzet Midrange marcou presença no formato pela primeira vez. O deck usa seus dragões, Dragão da Ponte Dourada e Galazeth Prismari para acelerar grandes mágicas no fim do jogo, Epifania de Alrund e Magma Opus, e tenta se manter vivo com cartas individualmente poderosas, Gigante Esmaga-ossos // Pisar e Já Sabia, na etapa intermediária do jogo.

Standard LeagueWeekend

No Histórico os olhos estavam voltados para como os profissionais resolveriam o problema proposto por Pacto Maculado, um deck muito difícil de se otimizar por ser quase singleton, com a exceção das condições de vitória. Apesar disso ele é tido como o mais poderoso do formato, o que podemos atestar por sua fatia do Metagame.

As novidades mais importantes para o arquétipo são a possível inclusão do vermelho para incluir Ruptura do Submundo no deck principal, que dá ao deck ainda mais resiliência em partidas de atrito, e Bando de Ratos no side-board, que adiciona mais um caminho para o deck vencer contra os decks de controle ou mesmo no mirror.

Historic LeagueWeekend

No final das partidas as vagas para o Mundial ficaram para o brasileiro Paulo Vitor Damo da Rosa na MPL e para Stanislav Cifka nos Rivais, parabés aos dois. Como o PVDDR já está classificado como atual campeão sua vaga vai para o Desafio da MPL.

Também tivemos alguns rebaixados. Brian Braun-Duin, Autumn Burchett e Shahar Shenhar caíram da MPL estarão entre os Rivais em 2020-2021. Já Matt Nass, Ryuzo Fujie, Matias Leveratto, Greg Orange e o brasileiro Lucas Esper se tornaram Desafiantes. Boa sorte a todos em seus futuros!

O único brasileiro ainda na disputa é Carlos Romão, que teve mais um Fim-de-Semana razoável, com 7 vitórias. Ele precisará de uma boa performance no próximo evento para se classificar para um Desafio de pós-temporada e manter chances de permanecer na MPL.

Assim finalizamos mais um Boletim dos Artesãos. Agora queremos saber de você. O que achou do anúncio da Wizards? Está empolgado pela volta dos eventos físicos? E pensa que o Magic competitivo deveria ser viável como carreira? Sinta-se livre para nos contar usando a seção de comentários. Você também pode nos alcançar por nossa página no Facebook, Twitter ou Instagram. Obrigado pela leitura.

Thiago Santos dos Artesãos do Magic

Comentários

Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Ao navegar neste site, você concorda com os nossos termos de uso.