Boletim dos Artesãos - Controle no Topo | Magic

Escrito por
Publicado em 07/12/2020
846 Visualizações, 0 Comentários.

Olá e sejam bem-vindos a mais um Boletim dos Artesãos, seu companheiro que te leva tudo o que de mais importante acontece no mundo de Magic: the Gathering. Neste fim de semana ocorreu o Campeonato de Etapa de Renascer Zendikar, último grande evento do ano, então, como não poderia ser diferente, este será o grande foco dessa edição. Vamos lá para as informações!

Inovações Num Standard Conhecido

Antes mesmo de qualquer campeonato podemos aprender um pouco do que vai acontecer e o primeiro passo para isso é olharmos qual será o Metagame do torneio. Como vimos aqui, para o Campeonato de Etapa de Renascer de Zendikar tivemos dois formatos, o primeiro deles foi o Standard.

O último lançamento que impactou o formato foi a própria Renascer de Zendikar lá atrás em setembro e depois dos banimentos que estabilizaram o formato nenhuma outra mudança brusca foi feita. O resultado disso é que o Standard era um formato bem conhecido indo para este campeonato, com as grandes forças bem identificadas.

Metagame Standard

O deck mais popular desta porção do formato foi o Gruul Adventures, que vem se mantendo nesta posição basicamente desde o primeiro campeonato. Apesar disso o deck também tem sido colocado à prova com bastante sucesso e não abre ampla dominância no Standard, como podemos ver com seus 23,9% do campo.

Para este campeonato a maior inovação para o deck foi trazida pela equipe de Autumn Burchett que decidiu incluir Quebra-escudo de Brasoreth // Exibição em Batalha no deck principal. A carta é de grande valor no mirror, destruindo O Grande Círculo, mas também pode atingir outros artefatos, como Tomo da Mente Labiríntica e Féretro de Vidro.

O segundo deck mais popular foi o Mono-Green Food, um deck que tem a versatilidade de trazer criaturas enormes como Rei Trol Glutão e Kogla, o Símio Titânico impulsionadas por Castelo de Pontegaren que dominam o campo de batalha contra Gruul e lutar batalhas longas de valor com Trilha de Migalhas contra decks de maior atrito. A novidade aqui é o deck finalmente se colocar no primeiro patamar em um evento tão grande depois de ter bons resultados em outros campeonatos.

Fechando os três primeiros temos o Dimir Rogues, que continua forte e pode alternar com tranquilidade seu plano de ataque, podendo ameaçar os pontos de vida com Impositora da Guilda dos Ladrões ou triturar completamente o deck adversário com Caranguejo-das-ruínas. A grande inovação para o deck foi trazida pela equipe de Paulo Vitor Damo da Rosa, que incluiu algumas cópias de Mentes em Uníssono ao deck, que é mais uma forma barata de recarregar forças e achar as preciosas respostas.

Outro desenvolvimento interessante para o formato é o crescimento do Dimir Control, que já foi tentado em algumas versões anteriormente e agora recebe o reforço de Yorion, Nômade Celeste como Compaheiro. A percepção geral é que o deck tem boas ferramentas para lidar com a maioria dos opositores no formato.

Outro detalhe importante é a queda do Esper Doom, o outro deck Yorion que parecia tão forte algumas semanas atrás. O que pode ter acontecido com o deck é o preço da fama, já que os outros decks passaram a se preparar melhor contra sua presença constante.

Novas Águas no Histórico

Enquanto no Standard tínhamos um formato conhecido a situação era oposta no Histórico, que teve muitos lançamentos que reconfiguraram completamente o formato, em destaque os sets remasterizados de Kaladesh e Amonkhet. As novidades não foram o suficiente para derrubar os decks do topo, no entanto.

Metagame Histórico

O arquétipo mais popular foi o Jund/Rakdos Sacrifice, clássico com Familiar da Bruxa, Forno da Bruxa e Diabo do Pandemônio. Fora o pacote tradicional o deck mantém a eterna batalha entre Korvold, Fae-Cursed King, Companhia Agrupada e uma base de mana simples com Rakdos. De qualquer forma o deck pode ter ganhado novas peças como Chandra, Chama da Rebeldia e Pilha de Sucata.

O segundo arquétipo mais popular, Sultai/4C Midrange é literalmente um Titã do formato e usando a combinação Uro, Titã da Ira da Natureza e Nissa, Abaladora do Mundo para grandes resultados. A inclusão de Yasharn, Terra Implacável se tornou bastante comum e o deck teve poder ainda aumentado com a inclusão de Empurrão Fatal e Especialidade de Yahenni. Se ainda for necessário prova do poder da combinação, 6 vagas do Top 8 foram tomadas pelo aquétipo.

Fechando o Top 3 arquétipos tivemos o Mono-Red Goblins pareando a agressividade da tribo com o aspecto combo de Muxus, Goblin Grandee. O deck não tem tantos espaços flexíveis para maximizar a explosão de Grandee, mas Autumn Burchett trouxe uma lista com Corneta do Arauto, boa carta contra decks de maior atrito, no deck principal e a levou até o Top 8.

Fora esses decks o formato parece bastante aberto, confirmado pelo fato que o próximo “arquétipo” mais popular seria o Outros, ou seja, decks com 2 pilotos ou menos, e dentre eles podemos encontrar de tudo um pouco, em especial alguns combos. O espaço para experimentação está definitivamente aberto.

Barclay Leva o Título

Nas performances individuais tínhamos muitos nomes para ficar atentos, em especial é claro, os brasileiros, já que 8 deles disputavam o campeonato. Infelizmente 5 já foram eliminados no primeiro dia de competição. Lucas Esper Berthoud, dos Rivais, fez um 1-4 e nos Desafiantes João Lucas Caparroz teve um 2-4, Alexandre Weber 1-4, Patrick Fernandes 1-4 e José Freitas 1-3.

Dos brasileiros que disputaram o Dia 2 Carlos Romão, da MPL, terminou com 7 vitórias e o Desafiante Paulo Henrique Farias acabou com 6. O nome restante é o do nosso campeão mundial Paulo Vitor Damo da Rosa que disputou até a última rodada uma vaga no Top 8, chegando a 11 vitórias, mas acabou de fora por critérios de desempate.

Top 8

O Top 8, a propósito, foi uma boa mistura entre novos nomes e nomes consagrados. Metade dos competidores foram membros da MPL. Andrea Mengucci e Brad Nelson tem currículo extenso e buscam adicionar um título de PT a ele.

Autumn Burchett e Gabriel Nassif emendaram uma série grandes performances, já que ambos de apareceram na fase final das Grandes Finais. Autumn busca repetir o feito do Campeonato Mítico I e Nassif reforça o que foi um ano mais que extraordinário para ele, chegando em sua quinta fase eliminatória em 12 meses.

Dentre os rostos mais desconhecidos apenas Tomáš Pokorný é um verdadeiro novato, garantindo um Top 8 já em seu primeiro grande evento. Já Luca Magni construiu seu nome no Arena o que rendeu a ele uma vaga n atual Liga de Rivais.

Por outro lado, Brad Barclay e Jan-Mortiz Merkel fazem um ato de reaparecimento usando a plataforma digital. Jan ganhou o PT Kobe em 2006 quando tinha apenas 17 anos e Brad era um participante recorrente das Copas do Mundo de Magic.

No final o título ficou com um especialista em Controle. Brad Barclay trouxe duas listas mais externas ao Metagame, Dimir Control no Standard e Azorius Control no Histórico, mas precisamente construídas para lidar com tudo o que os oponentes trouxessem e deu um vedadeiro show para os entusiastas do arquétipo.

Brad se manteve calmo e preparado por todo o capeonato, nevegando com precisão as decisões mais difíceis e também pôde contar com a sorte em alguns momentos de alta tensão. O resultado disso foi que ele não perdeu nenhuma partida no Histórico em todo o fim de semana, um feito impressionante dado o campo de competidores. Parabéns ao jogador pela enorme conquista!

Brad Barclay Campeão

Assim terminamos mais um Boletim dos Artesãos. O que você achou do Campeonato de Etapa de Renascer de Zendikar? Achou um novo deck para jogar no Standard ou Histórico? E o que espera dos formatos daqui pra frente? Sinta-se livre para nos contar usando a seção de comentários. Você também pode nos alcançar por nossa página no Facebook, Twitter ou Instagram. Obrigado pela leitura.

Thiago Santos dos Artesãos do Magic

Comentários

Usamos cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência. Ao navegar neste site, você concorda com os nossos termos de uso.