Julius Deck Tech: Storm

Escrito por Buffix
Publicado em 26/09/2019
107 Visualizações, 0 Comentários.

“Se eu não comprar nada, o desconto é maior.”

Julius

Olá a todos! Essa semana eu gostaria de anunciar uma série de artigos novos aqui no MYP cards: Julius Deck Tech! O enfoque é apresentar listas de decks voltadas para o formato competitivo que são baratas para entrar no formato e possíveis atualizações que podem ser feitas para eventualmente ter-se um deck competitivo. Nessa primeira semana, trago-lhes um dos decks que podem ser extremamente eficiente e baratos de montar: Storm!

A mecânica de storm foi inaugurada em maio de 2013 no set de Scourge e tem muito divido a comunidade de Magic desde então: alguns afirmam que demonstra uma necessidade de entendimento das mecânicas de jogo extremamente profunda e recompensadora ao passo que outros acreditam que não se trata de Magic mas de jogar FreeCell sem possuir muitas interações. Em todos os formatos, a mecânica prevalece como uma estratégia extremamente forte tanto no Legacy com Tendrils of Agony no ANT (Ad Nauseam + Tendrils of Agony ) ou TES (The Epic Storm, utiliza Burning Wish como foco) como no Modern como discutiremos adiante. Mas afinal como funciona o Storm, traduzido para "Rajada"?

"Quando você jogar esta mágica, faça uma cópia dela para cada mágica jogada antes dela neste turno. Você pode escolher novos alvos para a cópia."

"Quando você jogar esta mágica, faça uma cópia dela para cada mágica jogada antes dela neste turno. Você pode escolher novos alvos para a cópia."

Storm se importa com o número de mágicas jogadas em um determinado turno, independente do conjurador e da mágica ter resolvido ou não. Caso você tenha feito três mágicas e seu oponente duas em um turno, a contagem de storm será de cinco. Ao castar um Grapeshot, será checado esse número e será desencadeado a habilidade de storm, colocando, portanto, cinco cópias da mágica na pilha, mais o Grapeshot original, causando seis de dano no exemplo. Counters como Negate podem anular uma das cópias ou a mágica original, mas não conseguem impedir a habilidade de ser desencadeada. Cartas como Fim do Conto e Nimble Obstructionist podem anular a habilidade de storm mas não anulam a mágica original na pilha. Eu sei é uma mecânica difícil de se entender e por isso que os desenvolvedores da Wizards dizem que é uma carta improvável de dar as caras um dia no standard.

Bem e como os decks constroem-se em torno dessa mecânica? geralmente cinco itens são necessários para se construir um storm:

  1. Rituais: são mágicas que te deixam positivo na mana final como Ritual Desesperado e Pyretic RitualTwiddle com Lotus FieldDark Ritual eLions Eye Diamond
  2. Compra de cartas: aqui são as cartas que permitem cavar o deck o mais rápido possível para achar as cartas com Storm, podendo ser de forma direcionada como Gifts Ungiven e Infernal Tutor ou card draw puro como Ideas Unbound e Ad Nauseam.
  3. Past in Flames: é essencial para a maior parte dos combos afinal é a carta que "dobra" sua contagem de storm, castando todas as cartas da mão e depois do cemitério.
  4. Cantrips: servem para ajustar as melhores cartas na sua mão antes de combar. Sleight of Hand, Serum Visions, Ponder, Preordain.
  5. Payoff: são as cartas que ganham. Grapeshot, Esvaziar os Viveiros, Gavinhas da Corrupção até Temporal Fissure já foi uma win-condition no pauper.

Ao meu ver, dentro do modern, existem três decks de storm: Twiddle Storm, CheeriO's e Gifts Storm. Cada um possuí um jeito diferente de conseguir chegar a contagem de Storm alta o suficiente para matar o oponente. Vamos às listas:

Gifts Storm

Esse talvez seja um dos mais complicados de se explicar. Aqui Baral, Chefe da Conformidade e Goblin Electromancer permitem tornar cartas como Ritual Desesperado, Ritual Pirético e Manamorfose em rituais extremamente eficientes. Gifts Ungiven é a carta que muitos jogos dá a falsa ilusão de escolha, pois com Baral ou Goblin na mesa, independente de quais cartas estiverem na mão ou no cemitério poderão ser castadas. Existem planos para sideboard voltados para contornar hate de cemitério como Leyline of the Void ou Relíquia de Progenitus que podemos observar como Aria of Flame e Empty the Warrens e interações com Damping Sphere e Thalia, Guardiã de Thraben na forma de Repeal, Echoing Truth e Abrade. Não possuo autoridade para falar sobre quais cartas tutorar com Gifts Ungiven mas existem jogadores excelentes de Storm como Caleb Scherer que vale a pena procurar para melhor entender. Como podem perceber pela lista, o deck não necessita de fetchlands e em alguns casos até exclui o uso de shocklands, o que torna extremamente barata em termos de modern.

Cheerios

Aqui não temos um exemplo de deck barato. Mox Opal e a presença de fetchlands é o fator principal que encarece o deck. Ele se chama Cheerios por causa dos artefatos de custo 0 e o sucrilhos americano com nome de Cheerios que tem o "O" destacado. A compra de cartas fica em torno de Puresteel Paladin e Sram, Edificador Sênior e Retract essencialmente tem o papel de um Past in Flames nesse deck, dobrando o número de draws e contagem de Storm. Achei de qualquer forma interessante trazer essa face do Storm para vocês. Agora vamos à cereja do bolo da semana.

Twiddle Storm

Essa é a lista levada por Gustavo Lyra, jogador de Curitiba e que fez top 8 MCQ Richmond. Aqui temos o plano de Storm em torno de Lotus Field que possui proteção natural na forma de hexproof. Entra em cena o uso da mecânica de Splice em Psychic Puppetry que permite copiar o efeito da mágica em outras mágicas com subtipo arcana. O que isso significa na prática é que cartas como Ideas Unbound e Peer Through Depths são essencialmente de graça e Reach Through Mists gera uma mana além da compra de carta. Sylvan Scrying e Tolaria West são tutores para Lotus Field necessária para o combo em qualquer momento. Atualmente o deck custa pouco mais que 200 dólares no papel, o que equivale aqui no Brasil cerca de 600 reais. É uma ótima forma de entrar no Modern e um dos decks que realmente mostram resultados de tempos em tempos. Nas mãos de um ótimo jogador, Storm sempre é um arquétipo a ser temido.

Conclusões

As listas de Gifts Storm e Twiddle Storm possuem um custo extremamente baixo para um deck dentro do modern e deve ser visto como uma possibilidade para jogadores novos como uma forma de entrar no formato. Possíveis melhorias no deck focam simplesmente na adição de fetchlands nas cores azuis/vermelhas, mais notavelmente Scalding Tarn que é a mais cara do modern. Obrigado por lerem o artigo e sugiram nos comentários que arquétipos ou decks vocês gostariam de ver nessa série! O intuito é sempre buscar satisfazer todos os gostos de jogos possíveis. Até a próxima pessoal :)

 

Comentários