Boletim dos Artesãos - Campeonato Mítico IV em Barcelona

Escrito por artesaosdomagic
Publicado em 29/07/2019
199 Visualizações, 0 Comentários.

Olá e sejam bem-vindos a mais um Boletim dos Artesãos, que provê a você tudo o que de mais importante aconteceu no mundo do Magic na última semana. E é claro que o assunto principal de hoje não poderia deixar de ser o Campeonato Mítico IV, que aconteceu em Barcelona, com os formatos Draft de Modern Horizons na parte de Limitado e Modern na parte de Construído. Então vamos logo saber o que aconteceu em mais um dos torneios de mais alto nível de Magic: the Gathering.

O Domínio de Hogaak

Após o Anúncio de Banidas & Restritas das últimas semanas, que baniu a Ponte das Profundezas, que você também pôde acompanhar por aqui, muitos achavam que o deck Hogaak Bridgevine demoraria no mínimo algum tempo para se recuperar, afinal a Ponte era uma carta muito importante no deck e que o fornecia um poderoso combo com o potencial de acabar com o jogo antes que os oponentes tivessem oportunidade de responder.

No entanto, logo no começo dos testes para o Campeonato Mítico IV as equipes foram percebendo que um 8/8 com Atropelar no Turno 2 ainda era o bastante para ganhar jogos no Modern e o deck estava longe de ser fraco. Nos dias que antecediam o torneio vimos cada vez mais jogadores anunciarem que o deck seria sua escolha para a parte de Construído do torneio.

 

A expectativa da grande presença do deck foi confirmada e até superada já no Dia 1 do torneio, quando Hogaak foi responsável por mais de 1/5 dos decks inscritos (21,4% com 98 jogadores), um número incrivelmente alto num formato como o Modern. O resto do campo não deixaria o deck dominar sem oposição, no entanto, e a Linha de Força do Vácuo  foi a carta mais jogada no campeonato entre decks principais e sideboards, numa clara tentativa de resposta. Além disso, com os jogadores tão bem preparados para o que enfrentariam talvez o deck não tivesse tanto sucesso.

Metagame do Dia 1
Metagame do Dia 1

Não foi isso que aconteceu e o deck continuou dominante no Metagame do Dia 2, com 24,2% em 70 jogadores, o que significa uma taxa de conversão, isto é, a porção de jogadores com o deck que conseguiram se classificar para o segundo dia de competição, de 71,4%, a melhor entre os decks com, pelo menos, cinco competidores.

Metagame do Dia 2
Metagame do Dia 2

Note que a taxa de conversão não diferencia competidores com campanha 4-4 dos competidores 8-0, se você se classificou para o Dia 2 você está dentro, e, ademais, ela também inclui a performance no Limitado, o que não é o ideal quando se está tentando diagnosticar um formato Construído. Assim, para uma conclusão mais clara tivemos que esperar o fim das rodadas de suíço e ver o quanto venceu cada deck.

E não deu outra, Hogaak ainda estava no topo. O deck mais popular do campeonato também obteve uma das maiores taxas de vitórias, ganhando 56,2% de suas partidas. Entre os decks com cinco ou mais jogadores somente outro deck teve uma taxa mais alta: o Hogaak Dredge, uma variação dos decks Dredge com ao menos três cópias de Hogaak.

O domínio só não foi mais completo porque o deck só conseguiu uma vaga no Top 8 do torneio, embora tenha sido um dos melhores decks no campo. Além disso, o deck não está finalizado e tam bastantes peças flexíveis, então pode ser refinado ainda mais. Os clamores pelo banimento já começaram, então vamos aguardar o que acontecerá com o deck.

Quem espera ansiosamente por essa resolução são os outros decks que estão ou tem pretensão de alcançar o topo do formato, como o Izzet Phoenix, até pouco o melhor deck do Modern, o Humanos, o Urza ThopterSword e o Jund.

A Conquista de Thoralf Severin

Como dito antes, apenas um jogador conseguiu chegar ao Top 8 com Hogaak, Martin Müller. O resto do Top 8 foi formado por Alvaro Fernandez Torres, com Hardened Scales, Sean Gifford, com Eldrazi Tron, Manuel Lenz, com Urza ThopterSword, David Mines, com Jund, Juan José Rodríguez López, com Mono-Red Phoenix, Thoralf Severin, com Tron e Zhiyang Zhang, com Jund. Um Top 8 muito diverso, contrariando o domínio que expomos acima.

O deck de Thoralf era o mais tradicional Tron que se poderia pedir. Nada de pequenos Eldrazis, nada de Karn, o Grande Criador, apenas os confiáveis Karn Liberto, Ulamog, a Fome Interminável e Ugin, o Dragão Espírito. Em verdade Severin inscreveu quase a mesma lista que havia usado alguns meses atrás em Londres, a única diferença sendo uma cópia de Véu do Verão no sideboard. A escolha não se baseava apenas em ser um deck mais confortável e conhecido pelo jogador, no entanto, se tratando de uma jogada de Metagame. Prevendo um campo com a forte presença de Hogaak, Severin escolheu um deck que também tinha partidas favoráveis contra os decks que os outros jogadores poderiam trazer para combater a ameaça do cemitério.

 

A estratégia deu muito certo, levando Thoralf Severin ao Top 8 com grandes chances de vencer o campeonato e o jogador se aproveitou de sua experiência com deck para vencer o Jund duas vezes seguidas na fase eliminatória, contra David Mines e depois Zhiyang Zhang. Seu oponente na final seria Alvaro Torres, que com um deck com jogadas intrincadas, mas incrivelmente rápido, o Hardened Scales, venceu Martin Müller e Sean Gifford.

A final, então, seria um tipo de jogo diferente para Severin. Em vez de um jogo de atrito ele teria que fazer o seu melhor para estabelecer os terrenos de Urza o mais cedo possível e impedir que o oponente atacasse para letal. E ele fez isso muito bem vencendo as duas partidas pré-sideboard. Torres até ensaiou uma reação vencendo o jogo três, mas Ulamog mostrou toda sua força como um titã eldrazi, vencendo dois jogos, incluindo um em que era a única resposta levaria a vitória e o quarto jogo, e deu o título do campeonato a Thoralf Severin.

Thoralf Severin campeão do MCIV

Definidos os Finalistas do Team Series

Além do evento principal individual também tínhamos a disputa por equipes que definiria os finalistas que competirão pelo título de equipes no MagicFest Las Vegas ainda esse ano e várias equipes tinham chances de alcançar as duas vagas.

No final as duas equipes classificadas foram Hareruya Sword — formada por Kelvin Chew, Jérémy Dezani, Javier Dominguez, Grzegorz Kowalski, Andrea Mengucci, e Lee Shi Tian —  e Team Ultimate Guard —  formada por Andrew Cuneo, Reid Duke, Jon Finkel, William Jensen, Paul Rietzl e Matt Sperling.

Equipe Hareruya Sword
A equipe Hareruya Sword obteve primeiro lugar no Team Series

Com tantos nomes grandes entre as formações das duas equipes podemos esperar uma disputa de alto nível pelo título.

E isso finaliza o Boletim dessa semana. Muitas coisas aconteceram que têm o potencial para transformar o Modern, então vamos ver como os jogadores reagem e o formato evolui a partir desse ponto. E você, o que acha que vai acontecer com o Hogaak? Ficou feliz em ver o Tron no topo de um campeonato de alto nível? E qual outro deck do Campeonato Mítico mais te impressionou? Sinta-se livre para nos contar usando a seção de comentários. Você também pode nos alcançar por nossa página no Facebook ou Twitter. Obrigado pela leitura.

Thiago Santos dos Artesãos do Magic

Comentários