O Metagame Pós-Banlist

Escrito por CyberseTeamBR
Publicado em 25/07/2019
356 Visualizações, 1 Comentários.

Todo ano é a mesma coisa, quem joga Yu-Gi-Oh! já está mais do que acostumado com as inúmeras Banlists lançadas a cada 3 ou 4 meses que comumente, alteram um pouco ou todo o percurso e o rumo do formato inteiro. Não há como fugir, de fato, a Banlist por vezes é necessária para equilibrar um pouco as ações e dar um freio em Decks que possuem uma força acima do comum, e que sobreponham a outros. Porém, na Banlist mais recente, anunciada no dia 15 de Julho, a Konami trucidou, de forma pretensiosa e meramente comercial os principais Decks do formato, e inclusive Decks que nem estavam mais neles, para vender novos produtos, que não prometem mudar tanto o meta com seus lançamentos, visto que boa parte das cartas não são boas o suficiente para isso. No entanto, o formato tende a mudar, senão os Decks, suas principais formas de jogar. Qual será o mais forte? O que será o meta daqui para frente? Sigam-nos, e venham para um test drive!

1. Salamangreat

ATENÇÃO: Um minuto de silêncio em homenagem ao Gazelle... que foi assassinado pela Konami! Isso deveria ser um anúncio do jogo do Flamengo, namoral. Bom, a Konami limitou o Salamagrande Gazela e o Círculo Salamagrande, duas cartas que eram praticamente obrigatórias dentro do Deck, e com isso tirou muito da sua consistência. É claro que, o Deck ainda continua jogável, mas de outra forma. Muitas Decklists pós-lista estão focando em usar cópias do Salamagrande Plumático para continuar enchendo o campo, e fazendo suas jogadas de Link, enquanto fazem Rank 4 com mais frequência dentro do Deck. O principal buscador do Gazela se tornou o Salamagrande Raposex, mas é sempre uma questão de sorte. No mais, o Deck ainda consegue Invocar o Salamagrande Migaranhão com facilidade, e faz o que já estava acostumado a fazer. Com certeza, ainda será uma presença constante no Meta, tendo em vista que, outros Decks sofreram tanto quanto, ou ainda mais quê os próprios Salamangreat.

2. Thunder Dragon

Outro Deck que foi prejudicado foi o Thunder Dragon, apesar de, não diretamente, ele sofreu com muitas techs indo para o limbo. Para começar, o Wivern do Eclipse foi banido. Uma das principais cartas para se enviar para o Cemitério e banir, e que adicionava o Dragão Branco Wivexplosão e o Dragão Negro Colapserpente que eram facilmente Invocados para o campo, e utilizados para trazer os Guardragon de Extra Deck, enquanto enchiam o campo com negações, utilizando o Abrasador Dragão Vermelho Arquidemônio do Abismo e de quebra ainda podendo Invocar o Colosso Dragão do Trovão, evitando que o oponente pudesse adicionar cartas para à mão. Claro que, não era uma tech pertecente somente aos Thunder Dragon, muito pelo contrário, mas agora ela está muito mais sensível e difícil de fazer, e muitos jogadores que ainda quiserem continuar usando o Deck, terão de usá-lo a moda antiga, um pouco mais puro e compacto.

3. Sky Striker

Talvez o único Deck que de fato merecesse ser hitado, pela sua longevidade no jogo. Sky Striker já estava no Metagame a mais de um ano, desde Maio de 2018, e de fato já estava maçante, apesar de que por conta própria já estivesse perdendo força no jogo. A versão pura do Deck sofreu com a limitação da Força Celeste - Módulo Mecha - Multifunção, que era a sua principal carta. Além disso, colhendo os frutos de listas anteriores, que limitaram a Força Celeste - Ás - Kagari e a Força Celeste - Mecha - Drones Zangões, o Deck promete ir aos poucos saindo do cenário competitivo. Porém, Sky Striker sempre foram conhecidos por sua versatilidade e poder de adaptação. O Deck possuia uma outra forma, conhecida como Sky Striker Mystic Mine, que como o nome sugere, se baseava em usar o efeito da Mina Mística, que era facilmente buscada como Transformação Campal e Metaverso, porém, ambas foram limitadas, e agora até isso ficou mais difícil. No entanto, o Deck ganhou o reforço da Julgamento Solene, que tem se feito presente em muitas Decklists pós-lista.

4. Altergeist

 

Sem palavras... isso é o que define a limitação do Multifalsificador Altergeist. Um Deck que há muito tempo já não oferecia perigo algum para o Metagame, e que por si só já havia caído no esquecimento acabou sofrendo com a Banlist apenas por puro prazer. Com o downgrade que o jogo recebeu após a lista, Altergeist talvez pudesse ser um risco para os cofres da Konami. Um Deck já lançado a quase 1 ano e que não necessita de tantos suportes novos, poderia acabar indo pro Metagame e não gerando muito lucro com a venda de cartas novas, já que os players que já possuem o Deck, não iriam gastar mais nada para continuar usando. Enfim, a pouca consistência que o Deck alguma vez já teve com o Multifaker foi pro saco, e só nos resta chorar. 

 

5. Perigo!

Finalmente uma das engines mais insanas do jogo dos últimos anos teve um pequeno freio. Danger desde o seu lançamento mostrou-se um Arquétipo muito perigoso (e sem trocadilhos). Não sei em quê a Konami estava pensando, mas deu muito errado. Qualquer Deck fica bom com essa coisa, qualquer um... E isso pode parecer bom, mas não é. Os Decks ruins ficam bons, mas o que já são bons ficam hiper consistentes e quase impossíveis de se jogar contra. A semi-limitação do Perigo!? Tsuchinoko?, Perigo!? Lebrílope? e Perigo! Nessie! foram justas. Apesar de existirem outros monstros do Arquétipo que façam quase a mesma coisa, essa trinca sozinha conseguia por ao menos 3 monstros em campo e comprar 3 cartas. Um descartava o outro, que se auto-Invocava e descartava o outro que buscava o outro... enfim, era extremamente complicado se enfrentar um Deck com essa engine exatamente pela sua pluraridade de efeitos. Se um fosse negado, tá... era só ativar o outro. Muitos Decks ainda vão usá-los, e com razão, mas ao menos a tendência é que o perigo diminua nos próximos formatos.

 

6. Outras Mudanças

E por fim, a lista também contou com algumas surpresas. O Daigusto Emeral saiu da lista e pode voltar a ser usado em Decks de Rank 4 por aí, com o seu efeito de comprar cartas que sempre será útil. O Temporal, Dragão Soberano das Tempestades também saiu da lista, e pode ser aproveitado em Decks de VENTO ou Dragões por aí. Shurit, o Estrategista de Necroz voltou a dois para fazer a alegria dos Ritual Players, inclusive a minha. Porém, de mais surpreendente tivemos a liberação da Julgamento Solene, que simplesmente pode negar qualquer coisa ao custo da metade dos nossos LP, e que é quase certeza que será utilizada (e muito) nesse novo formato, além da liberação a da Super Polimerização... uma carta um tanto arriscada pro formato atual, sendo ótima opção de side, mas extremamente poderosa em Decks certos. Um ponto a mais para os HERO's, que também receberam o reforço do Stratos, o HERÓI do Elemento sendo semi-limitado.

 

7. Lançamentos

Bom, e o meta? Como vai ficar depois disso tudo? Essa pergunta não parece tão difícil de se responder. Ao que tudo indica, mesmo prejudicados pela Banlist, Salamangreat e Thunder Dragon ainda serão os Decks mais fortes, levando em consideração que, apesar das perdas, eles foram os que perderam menos, e acharam facilmente outra forma de jogar. A mecânica Danger provavelmente ainda será bastante usada em ambos os Decks, para maximizar as jogadas de Rank 3 e Link, respectivamente. Porém, com a chegada do Structure Deck: Rokket Revolt para o TCG, no dia 16 de Agosto, o Meta promete dar uma pequena mudada e consolidar um novo formato, com o Deck Dragon Link, que usa os Rokkets como base para usufruir dos efeitos dos monstros Guardragon, e que já é realidade nas terras distantes do OCG. Outro Deck que merece um pouco de atenção é o Marincess Frog, que promete ser um Deck bastante problemático com a chegada da coleção Rising Rampage para o TCG, que está sendo oficialmente lançada hoje (25/07).

E vocês? O que esperam do novo formato? Não deixem de opinar, isso nos ajuda muito!

Att, Cyberse Team BR!

Comentários

Velludo comentou em 25/07/2019 10:08

Excelente artigo. Parabéns. Só um adendo sobre o Altergeist, chorar não é a única opção, rsrs, ainda dá para jogar, na verdade é especulado que um suporte indireto para ele foi a razão da limitação do Multifaker. Esse suporte seria o novo Salamangreat link 1, que poderia ser feito com a normal summon do Sangan, e o Sangan traria o Multifaker para a mão. Se antecipando ao provável spam de Multifaker, a konami limitou o mal pela raiz. Mas ainda assim pós lista as pessoas que ainda querem usar o deck estão optando por 2 ou 3 cópias do Sangan + 1 ou 2 cópias do Salamangreat Almiraj.