Um Nexus da Pesada!

Escrito por Corso
Publicado em 14/07/2019
392 Visualizações, 4 Comentários.

E aí pessoal, eu sou o Marcos Corso, jogo magic desde 1998, mas competitivo há 04 anos, quando comecei a participar de Grand Prix (Magic Fest) e Qualificatórios, e agora o nosso querido Magic Arena, onde neste dia 13 de julho tivemos a 3ª Etapa Classificatória da Liga Impetus e pude me sagrar campeão, após 06 rodadas do suíço mais um top 08 espetacular! Um grande evento muito bem organizado e com excelentes jogadores!

O deck que escolhi foi o Simic Nexus (calma, não é aquele que joga infinito turnos e não faz nada), com Nissa, Who Shakes the World  e a temática Elemental como forma de rampar e de ganhar tempo contra decks focados em criaturas. Assim, cartas como Leafkin Druid e Risen Reef  ajudavam a rampar ou gerar card advantage, e cartas como Cavalier of Thorns entrava para estabilizar o jogo e gerar valor em uma eventual troca, visto que você pode trazer bombas como Krasis Hidroide do seu cemitério.

Além da temática elemental, que serve de ramp e consegue equilibrar o jogo contra decks aggros, o deck possui a shell de Nexus of Fate  + Tamiyo, Field Researcher, que consegue filtrar seu deck em busca das respostas e após um tempo você consegue fazer dois, três, quatro Nexus enquanto agride seu oponente com uma Hidra gigante ou desenvolve o board por meio da geração de mana extra da Nissa.

O Plano de Sideboard é bem tranquilo. Geralmente sai as 4 Growth Spiral e entram cartas para proteger as peças principais como Veil of Summer, ou para segurar o jogo ou gerar vantagem como Ripjaw Raptor e Mass Manipulation  (esta excelente contra controle para roubar o Teferi, Time Raveler), ou então para lidar com aquilo que pode ser muito prejudicial, como Aether Gust  e Cerulean Drake, ótimas contra Mono Red, Phoenix, Wilderness Reclamation e outras ameaças.

Abaixo vou falar um pouco de cada partida do Suíço, deixando o enfoque maior para o TOP 8.

Rodada 1: vs Mono Blue Tempo (2-0)

Uma partida bem interessante, onde G1 tomei diversos counters, oponente me deixou a um de vida e não conseguiu finalizar o jogo depois que fiz uma Hidra 5/5, onde estabilizei o board, encontrei Tamiyo, Field Researcher e consegui virar uma game quase perdido. G2 o oponente mulligou e não conseguiu desenvolver o board, enquanto a temática elemental se sobrepôs, gerando muita vantagem e dominando o jogo.

Rodada 2: vs Simic Flash (2-1)

Uma das piores matches de se jogar contra, pois seu oponente só joga no seu turno, ou anulando suas principais spells, ou fazendo criaturas com evasão como Spectral Sailor ou que geram valor como Nightpack Ambusher que gera uma ficha de lobo 2/2 em todo turno do oponente quando ele não fizer mágicas. Assim ele vai desenvolvendo o board no seu turno, enquanto na mão tem respostas para quase todas as suas mágicas. G1 meu oponente teve um certo flood, o que me possibilitou desenvolver o jogo e ganhar fazendo vários Nexus of Fate. G2 meu oponente veio com uma mão muito boa e jogou sem deixar margem para conseguir responder suas spells com Veil of Summer ou Aether Gust . G3 meu oponente teve de mulligar a 4 e quase conseguiu voltar pro jogo, mas aí consegui encaixar uma hidra gigante e gerou muita vantagem e um corpo que ele não conseguiu responder com Merfolk Trickster ou Unsummon.

Rodada 3: vs Simic Flash (0-2)

Lista um pouco diferente da anterior, porém com mais anulações, como Frilled Mystic e Syncopate, que fez uma grande diferança no G1, quando tive um Cavalier of Thorns anulado pra x=1, o que me possibiltaria estabilizar o board e começar a agredir meu oponente. G2 tive de mulligar a 05 e não tiver minhas 03 primeiras mágicas do game anuladas, sendo que em seguida o oponente fez um Nightpack Ambusher e aí sentou em cima dele com suas anulações e bounces, dominando o jogo. Este deck tem ganhado grande notoriedade e vem sendo utilizado pelos profissionais em níveis altíssimos de competitivo. Assim, sugere-se estudar uma variedade de sideboard para se defender melhor nesta partida, talvez Spell Pierce e Essence Scatter pro early game e um Commence the Endgame pra fazer no passe e gerar vantagem.

Rodada 4: vs Jeskai Super Friends (2-0)

Aqui foram dois games bem tranquilos. G1 oponente fez um Deafening Clarion no começo que até deu uma sobrevida, mas já havia comprado muitas cartas então consegui retomar o jogo e finalizar a partida com os elementais da Nissa. G2 enquanto eu rampava, meu oponente fazia planeswalkers, como Narset, Parter of Veils , Teferi, Time Raveler e Sarkhan the Masterless  porém, vindo do sideboard um Mass Manipulation pra x=2 foi suficiente pro oponente conceder na hora.

Round 5: vs Naya Feather (2-0)

Uma partida que bem estranha de jogar, pois se o Naya conseguir ter um início sólido e aumentar o corpo dos seus bixos, como o Tenth District Legionnaire e deixar uma Feather, the Redeemed protegida, dificilmente você consegue evoluir o board em tempo de fazer diversos Nexus of Fate para retomar a partida. Neste caso específico, G1 meu oponente estava com larga vantagem até que consegui fazer uma Hidra pra x=5, ganhar um pouco de vida e ter um blocker pra Feather. G2 um ramp cedo me levou a ter um Cavalier of Thorns no early, estabilizar o board enquanto meu oponente não conseguia achar suas criaturas, gastando seus recursos para matar minhas Nissas, até que consegui manter uma na mesa, fazer uma Hidra gigante e um Nexus of Fate pra selar o caixão. Destaque pra Aether Gust que pode ser uma boa resposta contra Domri's Ambush e outras cartas de vantagem do oponente, fazendo um 2 por 1 e ganhando tempo.

Rodada 6: vs Simic Nexus (1-2)

Aqui um mirror, mas a versão do oponente era com Wilderness Reclamation, Search for Azcanta // Azcanta, the Sunken Ruin e Root Snare , ou seja o Nexus combo, focado em flipar Azcanta, achar muitas cartas enquanto desvira seus lands e continua cavando o deck atrás dos Nexus of Fate. G1 meu oponente acabou errando nos cálculos e em vez de fazer mais um Nexus, optou por comprar cartas, e na volta consegui dar letal nele. G2 e G3 o deck dele funcionou como é pra funcionar, prevenindo danos, flipando Azcanta e consegui anular minhas maiores ameaças, depois com uma Tamyio selou as vitórias.

TOP 8

Quartas de Final: vs Simic Nexus (2-0)

A revanche! Diferente dos G2 e G3 da rodada anterior, aqui o deck do meu oponente não conseguiu evoluir em ambos games, o que me deu tempo para desenvolver a mesa e imprimir muito dano e card advantage. Foram dois games bem apertados, onde a Nissa, Who Shakes the World fez toda a diferença ao meu lado.


Semi-final: vs Ancetral Blade (2-0)

O clássico MonoWhite com algumas alterações, como Ancestral Blade e Raise the Alarm. G1 o oponente desenvolveu muito rápido o board com a Aspirante a Marchadora Celeste, Marechal de Benália e Loxodonte Venerado, enquanto um Tomik, Advoquista Distinto me impedia de transformar os meus lands em elementais 3/3 com a Nissa, Who Shakes the World. Pelo chão eu conseguia me defender, porém a Aspirante batia 4 por vez pelo ar, até que me deixou com 4 pontos de vida e consegui encontrar um Krasis Hidroide, que me deu vida, cartas e um corpo pra me defender da Aspirante. A partir daí, estbilizei o jogo onde meu late game é muito superior ao do oponente, pois enquanto ele comprava drops 1 eu comprava Tamyio, Cavaleiros e Nexus of Fate. G2 o jogo se desenvolveu de forma muito semelhante, porém meu oponente não conseguia me atacar, em razão de eu ter rampado cedo e ir fazendo um Cavalier of Thorns atrás do outro, situação que me gerou muita vantagem. O toque final foi um Mass Manipulation pra x=2 roubando a única criatura com voar e um Marechal.

Final: vs Orzhov Vampires (2-1)

Uma partida memorável.

O Orzhov do opnente é um deck que tem uma lista bem resiliente, cheia de recursos e cartas como Legion LieutenantSorin, Imperious Bloodlord e Knight of the Ebon Legion conseguem impactar muito o board, crescendo rapidamente o poder da mesa e o Sorin é um grande finisher gerador de vantagem, pois consegue colocar um Champion of Dusk turno 3 comprando de 2 a 3 cartas.

No Game 1 fui atropelado pelo oponente. Neste game apenas fiz ramps e não encontrei nada pra ao menos ganhar tempo, como um Cavaleiro ou uma Hidra e morri fazendo 2 Nexus seguidos pra tentar encontrar alguma coisa, mas sem êxito algum. Enquanto isso meu oponente com um Adanto Vanguard e um Sorin, Imperious Bloodlord conseguiu evoluir o dano, enquanto sacrificava outros drops baixos pra matar meus Risen Reef, que poderiam ajudar a desenvolver o board.

No Game 2 um jogo onde meu oponente não conseguiu pressionar muito e eu consegui estabilizar logo. Meu oponente trouxe Duress e tirou logo cedo uma Tamiyo, Field Researcher minha, me deixando apenas com um Nexus na mão e muito ramp na mesa. Em seguida entrou o Sorin, Imperious Bloodlord e já conseguiu matar um mana dork meu. Mas do topo deck veio uma Nissa, Who Shakes the World que deu um fôlego. Enquanto isso, meu oponente seguia sacrificando vampiros e matando meus mana dorks. Meus ataques basicamente eram no Sorin do oponente para não deixar o jogo desequilibrar. Até que um Risen Reef seguido de um Cavalier of Thorns geraram bastante valor e meu oponente concedeu, sabedor que eu tinha um Nexus of Fate na mão ainda para finalizar a partida em seguida.

O Game 3 foi um jogo de muita emoção. Acabei abrindo duas mãos horríveis e tive de mulligar a 05, o que é extramemente ruim com um deck que tem remoções e descartes. Meu oponente abre com um Adanto Vanguard seguido de uma Legion Lieutenant, enquanto eu faço 02 Leafkin Druid, onde um acaba morto e meu oponente titubeia em matar o outro antes de eu receber a prioridade no turno 04. Assim, consegui descer um Cavalier of Thorns, dar um ramp, mas logo foi removido pelo oponente. Seguido meu oponente faz mais uma Aspirante a Marchadora Celeste e eu faço outro Cavalier of Thorns e continuo rampando e tentando estabilizar o jogo, com 06 de vida. No turno do meu oponente ele comprou land apenas, me atacou e optei por matar a Aspirante e ir a 02 de vida, sabendo que poderia ser finalizado por um Sorin a qualquer momento. O jogo segue com eu fazendo uma Nissa, Who Shakes the World e um Risen Reef enquanto meu oponente compra outro Adanto e lands. Aí em algumas trocas talvez equivocadas do meu oponente, acabou perdendo o fôlego, pagando muita vida pra manter os Adantos vivos enquanto tentava me agredir e a Nissa acabou fazendo o que faz de melhor: ser implacável.

E assim eu ganhava meu primeiro torneio de Magic Arena, que não veio de sorte, veio de muita dedicação, estudo e amor por esse jogo espetacular, que já me gerou muitas amizades e alegrias.

Destaque especial do Deck é o Cavalier of Thorns! Juntamente com a Nissa, Who Shakes the World é o MVP do Deck. Além do ramp e da possibilidade de trazer uma bomba do cemitério, tem um corpo gigante, rampa e é um elemental, o que gera valor junto com Risen Reef. Nexus of Fate passa a ser uma carta de menor relevância, mas quando utilizada no momento certo pode gerar muita vantagem ou proporcionar a estabilidade necessária para encaminhar o jogo. Gostei muito do deck e pretendeo desenvolver ele durante esta Season, já que em agosto teremos o IV Mithyc Championship Qualifier pelo Arena, e é preciso estar bem treinado e focado.

Vou ficando por aqui! Um prazer poder compartilhar essa experiência e espero poder ajudar sempre a comunidade do Magic a crescer e se solidificar.

Abraço!

Comentários

AdamBravo comentou em 15/07/2019 12:08

Gostei do seu texto Corso, foi exatamente isso mesmo que rolou nos nossos games. Forte abraço e sucesso! E claro parabéns pelo título de Campeão da terceira etapa.

lfgcampos comentou em 15/07/2019 03:25

Report muito bom, parabéns pela vitória!

Corso comentou em 15/07/2019 00:15

Com certeza estarei! Grande evento! :)

Amilskul comentou em 14/07/2019 21:04

Parabéns pela conquista, brow! Esperamos ter você nas próximas etapas.