O Dia das Duelistas - As Mulheres em Yu-Gi-Oh!

Escrito por CyberseTeamBR
Publicado em 08/03/2019
108 Visualizações, 0 Comentários.

Uma coisa é fato: o machismo e o preconceito está enraizado na nossa sociedade desde o momento em quê nascemos. Tudo começa pelo simples fato de dividir o que é "de homem" e o que é "de mulher". Raras excessões irão olhar para um pequeno garotinho brincando de bonecas sem questionar sua sexualidade, apesar do mesmo ainda não ter a miníma noção do assunto, mas tudo isso muda quando esse certo garoto cresce e diz: "Peguei quatro hoje". Frases como "meu garoto", "é assim que se faz", "jogue duro pivete" se tornam o cotidiano para essa situação, como se mulheres fossem apenas objetos do prazer. Porém, elas são muito mais que isso, mulheres podem fazer o que quiserem, são gente como qualquer pessoa, seres humanos e tem suas vontades como todos os outros, mesmo que seja jogar futebol, ser piloto de avião ou até mesmo jogar Yu-Gi-Oh!, e estipular o que é ou não que elas devem fazer é o primeiro passo para a ignorância. O post de hoje vai ser polêmico, e sair um pouco da rotina, mas é algo extremamente necessário de ser dito, não só no mundo de Yu-Gi-Oh, mas como um todo.

Diferindo Desigualdade

Acredito que boa parte dos leitores daqui quissesem que houvesse igualdade, mas infelizmente não há. É fato histórico: mulheres em Yu-Gi-Oh! são um número extremamente reduzido se comparado aos homens, até mesmo nas animações de TV. E é impossível falar disso sem dar uma pequena aula de sociologia virtual. Homens desde cedo são expostos a videogames, futebol, jogos de cartas ou qualquer outro passatempo qualquer, enquanto que no mesmo período as mulheres são quase que forçadas a fazerem as famosas coisas "de mulher", como cozinhar, lavar roupa, limpar a casa e deixar tudo limpo para o seu "dono". Quando crescem, todo o interesse em videogames, cartas ou qualquer outra coisa vão para as cucuias, e a mulher normalmente acaba ficando refém do seu namorado mandão e viciado em cartinhas, apesar haver excessões a regra.

Vamos seguir a lógica. Um homem pode e deve cozinhar, mas grande maioria só o faz por extrema necessidade ou por vontade própria, enquanto que é muito raro vermos uma mulher que não cozinhe, já que são "coisas de mulher", e mesmo aquelas que cozinham mal, ao menos cozinham, porque foi imposto pela própria sociedade, e em muitos casos até pela própria mãe ou família que ela tem que cozinhar. Pode parecer algo de extrema inocência, mas "brincar de boneca" não passa de uma simples desculpa para que a criança se familiarize com a maternidade e com as crianças, já que de acordo com a sociedade, é função da mulher cuidar de crianças, e se essa criança for desobediente, logo vem a clichê frase "sua mãe não te deu educação não?", como se ela tivesse feito um filho sozinha.

Yu-Gi-Oooooh!

E é nesse pequeno detalhe com grandes consequências que está o principal motivo. Uma mulher, ao seu posto de "empregada" dos homens, nunca vai ter o mesmo tempo livre que os homens para assistir um Anime sobre Yu-Gi-Oh! ou qualquer outro assunto. O público feminino é históricamente menor no quesito audiência desse tipo de programa, e isso pode ser visto com estátisticas, onde no Japão, dos episódios exibidos, somente cerca de 5% dos telespectadores são mulheres, e olha que estamos falando de um país onde recentemente, as mulheres têm se destacado, inclusive por lá existe um torneio de Yu-Gi-Oh! exclusivo para as mulheres. Imagine isso em um país machista e subdesenvolvido, como o Brasil por exemplo.

E foi pensando nisso, e em como resolver esses problemas, que nós do Cyberse Team BR no simbólico dia 08 de Março, entrevistamos duas duelistas, recém chegadas no jogo. Elas dão a suas opiniões e respondem perguntas sobre como enxergam o jogo, pois nada melhor do quê a visão de uma mulher sobre os fatos.

ENTREVISTADA #1: VIVI MATTOS

 

CYBERSE TEAM: "Como você conheceu e se interessou por Yu-Gi-Oh!?"

VIVI MATTOS: "Conheci e me interessei porque meu namorado joga, seria um passa tempo a mais entre a gente."

CYBERSE TEAM: "Como você vê o cenário de Yu-Gi-Oh! como um todo?"

VIVI MATTOS: "É um jogo onde se usa muito a cabeça, o interessante é você ter que montar estratégias pra acabar com o oponente. (apesar de não conhecer quase nada, sei e vejo algumas coisas). Vejo o meu namorado jogando, ele usa Magician, já assisti várias vezes e o jogo é muito complexo."

CYBERSE TEAM: "Você acha que a Konami cria meios para inserir mulheres no jogo?"

VIVI MATTOS: "Acredito que sim, apesar do público masculino ser o grande alvo, a Konami produz Decks que desperta o interesse visual de garotas que querem aprender e entrar nesse mundo."

CYBERSE TEAM: "Em sua opinião, o que justifica o baixo número de mulheres em geral nos Cardgames comparado com o número de homens?"

VIVI MATTOS: "Acredito que a justificativa do baixo número de mulheres é justamente o desrespeito pela parte dos homens, a falta de interesse de manter uma interação para ter conversas sobre o jogo e o machismo em si, isso acaba desanimando e fazendo com que as meninas se afastem por vergonha ou medo de serem rebaixadas."

CYBERSE TEAM: "Você já sofreu algum tipo de assédio moral ou sexual por ser mulher enquanto estava jogando Yu-Gi-Oh?"

VIVI MATTOS: "Bom, nunca sofri nenhum assédio, eu não jogo o jogo físico, e ainda não tenho um Deck próprio, apesar do meu namorado me ensinar muitas coisas sobre regras e sobre os cards em geral. [...] Sempre que chego em uma loja com ele, os caras mal falam comigo, perguntam apenas qual Deck eu queria e falam que não é um Deck tão bom assim, então eu acabo não conversando muito."

CYBERSE TEAM: "Qual o seu Deck favorito, e por qual motivo?"

VIVI MATTOS: "Bom, o Deck que mais me chama atenção é o Fluffal, ele está na minha lista de compras. Tenho algumas cartas avulsas e acho o Deck muito lindo e fácil de jogar, apesar de não ser o melhor Deck do jogo, curto ele demais."

CYBERSE TEAM: "Você já assistiu algum Anime de Yu-Gi-Oh!? Se sim, o que pensa das poucas mulheres em destaque?"

VIVI MATTOS: "Comecei a ver o anime na Netflix (Yu-Gi-Oh! Duel Monsters). Ainda não terminei. Mas é como eu disse, eu acho eles (Konami) tentam introduzir o público feminino ao jogo apesar de não serem o grande alvo. [...] Tentam manter um equilíbrio pra combater o famoso tabu de que mulher não "pode" jogar Yu-Gi-Oh!"

ENTREVISTADA #2: DRIANE DE MELO

 

CYBERSE TEAM: "Como você conheceu e se interessou por Yu-Gi-Oh!?"

DRIANE: "Quando eu era mais nova assistia o anime com alguns amigos, e perto de minha casa na época vendia as cartas em uma lojinha, então eu jogava direto com meus amigos."

CYBERSE TEAM: "Como você vê o cenário de Yu-Gi-Oh! como um todo?"

DRIANE: [NÃO SOUBE RESPONDER]

CYBERSE TEAM: "Você acha que a Konami cria meios para inserir mulheres no jogo?"

DRIANE: "Não, não vejo quase nenhum incentivo."

CYBERSE TEAM: "Em sua opinião, o que justifica o baixo número de mulheres em geral nos Cardgames comparado com o número de homens?"

DRIANE: "A falta de oportunidade e de aceitação, é dificil começar em um mundo onde só há homens e quase ou nenhuma mulher, não nos sentimos bem-vindas e muitas vezes não encontramos muita confiança para jogar ou receber conselhos."

CYBERSE TEAM: "Você já sofreu algum tipo de assédio moral ou sexual por ser mulher enquanto estava jogando Yu-Gi-Oh?"

DRIANE: "Não, mas já recebi alguns olhares e indiretas que já me constrangeram muito."

CYBERSE TEAM: "Qual o seu Deck favorito, e por qual motivo?"

DRIANE: "Lunalight foi o primeiro Deck com que joguei depois de muito tempo e o Deck que foi dado de presente pelo meu marido."

CYBERSE TEAM: "Você já assistiu algum Anime de Yu-Gi-Oh!? Se sim, o que pensa das poucas mulheres em destaque?"

DRIANE: "Sim, assisti o clássico, o GX e alguns episodios do 5D's e ARC-V. Não posso dizer que as personagens femininas são ao todo ruins pois muitas são empoderadas da maneira correta, porém são muito pouco aproveitadas e geralmente são postas de lado na maior parte da história, a menos que ela venham ajudar o protagonista em alguma saga especifica e mesmo assim nunca vão muito longe, sem contar que as personagens femininas nas historias são muito poucas."

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Essa foi um post curto, é um assunto muito delicado e muito complexo. Enquanto não mudarmos como sociedade, o cenário dentro do jogo não vai mudar. Os missplays propositais, as piadinhas de duplo sentido, os olhares indevidos, entre outros, vão continuar se não houver uma Metamorfose. O nosso intuito foi mostrar e homenagear as nossas duelistas, guerreiras e que se fazem destacar em meio a tanto machismo e decadência. Um feliz dia das mulheres, para todas as duelistas, e que vocês possam seguir em frente sempre, na carreira que quiserem, no jogo que quiserem, no Deck que quiserem, sem nenhum tipo de medo ou constrangimento.

Não se esqueça que nunca recebemos problemas maiores do que podemos resolver. Se você for vítima de algum assédio ou piadinha de mau gosto, denuncie, ligue para a policia ou comunique a loja. Vamos mostrar que o machismo não tá com nada e lançar um ataque direto contra esses problemas. Peço desculpas em nome de todos os homens da comunidade, e sei que alguns estão comigo, apesar do fardo pesado. 

Um feliz dia das mulheres!

 

Att, Cyberse Team BR!

Comentários