Salamangreat: Hype ou Meta?

Escrito por CyberseTeamBR
Publicado em 19/02/2019
336 Visualizações, 0 Comentários.

Nos últimos meses um Deck um tanto quanto não esperado tem chamado atenção no OCG, e não estamos falando de Nekroz, Dark Magician ou Artifact, e sim dos Salamangreats. Levando em conta que a tempos atrás esse Arquétipo mal era jogável, isso despertou curiosidade, e ao mesmo tempo gerou um incrível hype em proporções nunca antes vistas no jogo, e por conta disso acredito que vale a pena fazer uma análise rápida sobre o Deck e dar uma opinião sobre ele, além de dizer o que esperar do futuro dele.

O começo de tudo 

Tudo começou com o lançamento da coleção Fusão da Alma, que chegou para o ocidente no dia 19 de Outubro de 2018, onde os primeiros Salamangreats foram lançados. O grande "x" da questão é que até esse momento, o Deck era horrível, sem exageros. Ele não tinha uma mecânica consistente, e era basicamente lento e seguia direções opostas. Com a chegada das cartas da coleção Ataque Selvagem, lançado em 31 de Janeiro, o Deck ganhou um pouco mais de força e seu principal Monstro Link, o Salamagrande Lobo da Luz do Sol, mas ainda assim, a forma como conseguia-se chegar nele era lenta e relativamente fácil de se parar.

Foi então que, no OCG, com a chegada do Structure Deck: Soulburner, o Arquétipo recebeu grande quantidade de suportes consideraveis, e diferentes de suas primeiras cartas, eles possuiam um padrão de jogo, que foi responsável por dar a consistência que faltava ao Deck, mas muito além disso, essas cartas também auxiliavam a ofensiva, a defensiva e o recovery do Deck, ou seja, tudo mudou drásticamente. Mesmo assim, a comunidade de players de Yu-Gi-Oh! em grande parte do mundo desconsiderou o Deck, e apesar de reconhecer sua grande melhora, desacreditou que ele pudesse vencer torneios relevantes. Contudo, no final de Dezembro de 2018, o Deck conseguiu uma façanha que ninguém esperava, venceu um torneio de grande relevância no OCG. Mas até então era um fato isolado, e pouco se deu crédito ao Deck, porém dias depois mais Deck começaram a ganhar e topar em grandes torneios e o Deck se tornou o meta mais forte e relevante do formato, e tudo isso pode ser facilmente comprovado com as estatísticas do site Road of the King, que semanalmente, oferece a porcentagem de Decks em grandes torneios do OCG.

Jogabilidade

O Deck Invoca diversos monstros em campo enquanto envia recursos para o Cemitério, para Invocar seus Monstros Links e ter o máximo de Backrows (defesas) setadas no campo para segurar o oponente, além de contar com um grande uso de Handtraps na mão, principalmente a Florescer de Cinzas & Primavera Feliz, que por ser de FOGO possui uma incrível consistência com o Deck, que pode reciclá-la do Cemitério. Com a chegada do Salamagrande Gazela o Deck ganhou a capacidade de começar ou até mesmo extender jogadas, enviando seus recursos para o Cemitério. Entre eles, você pode mandar o Salamagrande Espiraloso, que por seu efeito poderá se Invocar do Cemitério para trazer por Invocação-Xyz o Salamagrande Migaranhão, o melhor monstro do Deck, que vai te tirar do early game e te dar uma grande possibilidade de jogadas. A partir daí, você toma as decisões sobre o que poderá fazer. Como foi dito, o Deck trabalha muito com o Cemitério, sendo sua principal fonte de jogadas e reciclagem de cartas, devido ao efeito da Rugido Salamagrande (que irei falar mais tarde) e do já citado Salamagrande Lobo da Luz do Sol (que será analisado com mais detalhes ao longo do post). 

Análise - O Lado bom dos Salames Grandes!

  • Ofensiva: Tanto por seus monstros ou seus efeitos, o Deck não peca nesse aspecto. No seu primeiro turno, o Deck consegue criar um bom campo, enquanto segura seu oponente com suas Traps, fazendo seu adversário perder seus recursos enquanto tenta sobreviver e chegar ao próximo turno. O destaque sem dúvida fica com as novas cartas Rugido Salamagrande Fúria Salamagrande, que dão características defensivas ao Deck. A Fúria Salamagrande pode destruir cartas no campo até o número de Marcadores Link de um Salamangreat no campo Invocado usando ele mesmo como matéria, ou descartar uma carta do Arquétipo para destruir outra carta no campo, enquanto a Rugido Salamagrande pode se setar do Cemitério quando um Salamangreat Link é Invocado usando ele mesmo como matéria (podendo ser enviado para lá pelo efeito do Gazela), e pode negar ativações de efeitos de Magia/Armadilha ou monstros do oponente. Essas são as duas principais formas de segurar o seu oponente, mas os monstros também tem o seu papel importante, funcionando como iniciadores ou extensores de jogadas, lhe permitindo sair do late game e avançar seu jogo. E o principal destaque fica com o subestimado Salamagrande Leardor, que quando Invocado embaralha uma Magia/Armadilha do oponente ao Deck, e você pode usar o mesmo como matéria para Invocá-lo de novo e se livrar de outra carta! Essa é a melhor forma de lidar com o backrow do oponente, e como o Deck tem um alto fator de combo e spam de monstros, não é difícil imaginar que haverá diversos Salamangreats no campo para dar um OTK no seu oponente ou finalizar o oponente no próximo turno.

  • Defensiva: O Deck consegue se defender muito bem, protegendo os seus monstros e a Salamagrande Santuário, com o mais novo Salamagrande Lincegueira no Cemitério, pois ela protege suas cartas da destruíção uma vez por turno quando está no Cemitério, se banindo de lá. E isso dá um poder de sobrevivência ao Deck para chegar ao próximo turno e continuar seus combos ou Invocar um monstro de Link 4 (que falta ao Arquétipo) como o Dragão Callibregado. As Traps, como já foi citado, também te ajudam na defesa do Deck, além do próprio Lobo da Luz do Sol reciclar suas próprias cartas e a própria Rugido Salamagrande se reciclar, fazendo uma coleta literalmente seletiva dos recursos do seu Cemitério.

  • Consistência: O Deck tem uma boa consistência. Ele faz ótimos combos de duas cartas, que geram inúmeros recursos e a combinação dessas cartas podem ser diversas, além do mesmo possuir Monstros Links que lhe geram vantagem. Lincegueira pode buscar a Magia de Campo (Santuário), te possibilitando fazer a famosa "Link de Reencarnação" com seu Lobo da Luz do Sol, que quando Invocado usando ele mesmo como matéria, irá reciclar suas Magias e Armadilhas do Cemitério para serem usadas no turno do seu oponente, além disso, quando outro monstro é Invocado em sua Zona, ele pode reciclar seus monstros do Cemitério, adicionando-o à sua mão, lhe dando um follow-up para jogar o próximo turno. Porém, o Brick (mão ruim) do Deck funciona muito num estilo Monarca, onde você não consegue fazer nada e passa o turno, que pode ser um dos fatores de risco para a não ingressão do mesmo no competitivo.

  • Resistência: Em termos de jogadas, o Deck tem uma baixa resistência. Qualquer coisa ativada no meio do combo pode ser comparado com um tiro de um sniper bem no meio de sua testa: sua jogada morre por ali, e você tem que torcer para seu oponente não conseguir te matar no próximo turno. É por esse motivo que o Deck usa cartas como Chamado da Cova, para te proteger dessas eventuais situações. Entretanto, se você conseguir passar o turno com o campo que o Deck é programado para fazer, o Deck ganha pontos nesse tópico, já que oponente terá dificuldade de passar por cima dos seus monstros graças a resiliência do Lincegueira, juntamente com suas Armadilhas que vão lhe dar fôlego no turno do oponente. Basicamente, o Deck "morre" se tomar algo no meio do combo e não conseguir negá-lo. Caso isso não aconteça, o oponente provavelmente não conseguirá passar pelo seu campo.

  • Recovery: A pergunta que não quer calar: "O Deck consegue jogar mesmo se tiver perdido o campo todo?" Sim, consegue. Como foi dito acima, o Lobo da Luz do Sol te dá um follow up graças ao seu efeito, o que já é importante para recomeçar suas jogadas, principalmente se ele tiver adicionado o Salamagrande Raposex ou Gazela, que são essenciais para o seu combo. Mas sem dúvida, a melhor carta nesse quesito é o Salamagrande Toupeira. Basicamente, se você não tem monstros no campo, você pode banir ele do seu Cemitério, e voltar 5 cartas Salamangreat do Cemitério ao Deck e comprar 2 cartas. Além da sua normal draw, ele ainda te dá outras 2 cartas de graça, te deixando com ao menos 4 cartas na mão sem gastar nada, e ainda podendo ter o Lincegueira no Cemitério para proteger o batalhão.

Opinião - Hype ou Meta?

Essa é uma pergunta difícil de responder. O Deck tem tudo para ser Meta, tendo em vista os seus resultados mais recentes no TCG, mesmo somente uma semana após o lançamento. Ele venceu o Pro Player Tour Atalanta, e foi o Deck mais popular e o que mais topou no ARG Vegas. Não posso negar: O deck é bom, muito bom, mas apresenta defeitos claros, como seu brick absurdo e fragilidade gigantesca na hora de combar, o que faz com que ele tenha características não muito boas para a ingressão dominante no meta. Vale ressaltar que no OCG, a Banlist foi severa com os Decks mais fortes do formato, mas aqui no TCG, temos Thunder Dragon, Sky Striker e Altergeist com toda a força, o que deixa muito mais difícil qualquer Match contra esses Decks, pois apesar de ter uma boa match contra Sky Striker (indo em primeiro), o Deck não se dá bem contra Altergeist e Thunder Dragon (que estão enfraquecidos no OCG) e precisa de uma build específica para vencê-los, usando engines como os Artifacts ou com Kaijus, por exemplo, pois os mesmos são Decks de controle, e colocam campos muitos dificeis de quebrar e monstros com alto poder de ATK. Apesar disso, o Deck possui uma ótima match contra outros Decks de Link, inclusive contra ele mesmo, graças a "Super Poly" do Arquétipo, chamada de Fusão de Fogo, que pode facilmente Invocar o Salamagrande Quimera Violeta usando monstros do oponente e dar um baita OTK. Porém, o Deck tem cada vez mais recebido suportes, e vem se tornando cada vez mais consistente. Quem sabe num futuro, a Konami não venha a lançar uma Banlist que enfraqueça os atuais Decks do formato, e assim Salamangreat não venha a se tornar o meta dominante do formato, porque hoje o Deck está muito mais próximo de ser um Salamanmeta do quê um Salamanlimbo, e é como diz o ditado: "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura". Foi assim com PePe e SPYRAL, Decks até então fracos que foram recebendo cada vez mais suportes e se tornaram aberrações. Salamangreats podem ser os próximos, e só o tempo poderá nos dizer!

Considerações Finais

Se você teve a impressão de ter visto isso em algum lugar, não se preocupe, você está certo. Partes desse post foram extraídas de sites como "Road of the King", "Amino" e até mesmo do nosso blog pessoal "Cyberse Team BR". Sem dúvidas esse é um assunto que renderia inúmeros outros tópicos e ainda teríamos sobre o que falar, mas a nossa intenção era fazer um post rápido, dando um veredito sobre o Deck. Se você se interessou pelo Deck, e acredita em seu futuro, no final do post, vocês poderão assistir a um vídeo explicando detalhadamente um pouco mais sobre o Deck, e também sobre os suportes que vieram na coleção Ataque Selvagem, que não foram tão aprofundados nesse post. Desejamos de coração que vocês se tornem ótimas pessoas, seja nos duelos ou na vida real, e por isso colocamos a nossa alma nos nossos posts. Não se esqueça que todas essas cartas já estão disponíveis para venda na plataforma, e podem ser de grande ajuda nessa longa jornada. Um grande abraço, e até o mês que vem! 

Att, Cyberse Team BR!

Comentários